Museu do Cartão de Crédito

05/01/2016 - Bandeiras de cartões atendem de refugiados a metrô

« Voltar

Por Aline Oyamada | De São Paulo | Valor Econômico

Distribuir recursos a refugiados, agilizar o uso de meios de transporte e incentivar o consumo de bens culturais. Não são tarefas óbvias de uma empresa de meios de pagamentos eletrônicos, mas é justamente nisso que estão investindo as duas maiores bandeiras de cartões do mundo.

Por meio de parcerias com governos e instituições públicas, MasterCard e Visa têm montado cada vez mais programas que buscam facilitar a distribuição de benefícios sociais e modernizar serviços públicos. Para as bandeiras, esse é um mercado potencial enorme, já que em muitos países emergentes boa parte da população passa longe da inclusão financeiramente e não tem acesso a meios eletrônicos de pagamentos.

Tudo gira em torno do cartão. Ao invés de distribuir recursos em dinheiro, por exemplo, o governo pode entregar diversos subsídios à população por meio de um cartão pré-pago, que pode ser utilizado para compras em outros estabelecimentos. O mesmo instrumento pode substituir o passe do metrô e levar doações e assistência financeira a vítimas de desastres naturais.

Caldart, presidente da MasterCard na AL: cartões substituem desembolsos antes feitos em dinheiro e cheque.

A Visa possui em parceria com o Banco do Brasil, por exemplo, o cartão "Defesa Civil", que facilita a distribuição de recursos a populações afetadas por desastres naturais. Municípios que aderem ao programa têm acesso, por meio de um cartão de débito, a um fundo emergencial federal cujos recursos se destinam a socorrer as vítimas e restabelecer os serviços essenciais na região. Até o fim de 2014, último dado disponível, 2.089 municípios haviam aderido ao programa.

"Quando colocamos produtos financeiros vinculados com desembolso de dinheiro para a população com objetivos sociais, estamos agregando eficiências ao processo de distribuição de fundos", afirma Jose Coronel, diretor-executivo de produtos pré-pagos na América Latina da Visa.

Além da distribuição de subsídios, os cartões podem agregar outras funções que atendam a necessidades do governo. Na África do Sul, a MasterCard fez uma parceria com a Agência de Segurança Social Nacional (SASSA) para registrar pessoas e emitir um cartão pré-pago que é também documento de identidade com reconhecimento de voz e biometria. Foram habilitados 10 milhões de cartões, por meio dos quais 21 milhões de pessoas recebem benefícios sociais. Um programa de identificação similar foi montado com o governo da Índia.

"Grande parte do fluxo financeiro que vai para essas pessoas vem do governo por meio de programas de saúde, subsídios alimentares ou sociais, entre outros. Em grande parte desses governos, esses desembolsos todos eram feitos com cheque ou dinheiro", afirma Gilberto Caldart, presidente da MasterCard na América Latina. "Obviamente, não somos uma ONG, somos uma empresa, mas estamos fazendo o bem através do que a gente sabe fazer". No Brasil, estima-se que 30% do consumo das famílias seja feito com cartão, mas a média da América Latina é mais baixa, em torno de 15%, segundo o executivo. Na Suécia, essa taxa é de cerca de 80%.

As parcerias com governos também podem ser feitas para modernizar ou agilizar serviços públicos. O sistema de trânsito é um dos focos de atuação das bandeiras, já que é possível substituir o cartão de transporte, que serve apenas como bilhete, por um cartão pré-pago, de débito ou crédito com tecnologia "contactless" - em que o pagamento é feito apenas por aproximação do plástico à máquina.

O metrô de Londres, por exemplo, implementou esse mecanismo e hoje é possível acessar os trens com o cartão de crédito, débito ou pré-pago com tecnologia "contactless", que pode ter bandeira Visa, MasterCard, Maestro ou American Express. Também é possível usar outros dispositivos eletrônicos que tenham a tecnologia, como smartphones, adesivos ou pulseiras.

Com essa tecnologia, a compra do tíquete e a liberação da catraca no metrô londrino são feitas ao mesmo tempo, acelerando o acesso do passageiro. "Trânsito é claramente uma maneira de ampliar a aceitação de meios eletrônicos de pagamento e promover a inclusão financeira", diz Caldart, da MasterCard.

O governo de Curitiba também está se modernizando por meio de uma parceria com a MasterCard. Desde agosto, passageiros do sistema de transporte da região metropolitana da cidade podem adquirir um cartão de transporte híbrido, que além de bilhete pode ser utilizado no comércio como um pré-pago. Mais de 170 mil cartões foram distribuídos pela MasterCard.

As parcerias com governos podem ainda ser feitas para estimular determinados setores. No Brasil, uma parceria entre a Visa e o Ministério da Cultura resultou em um produto com outro objetivo social: aumentar o consumo de bens culturais.

O programa oferece incentivo fiscal às empresas que derem aos funcionários um cartão chamado "Visa Vale Mais Cultura", com benefícios que podem ser utilizados para o consumo de bens e serviços culturais, como cinema, teatro, espetáculos e compra de livros, CD e instrumentos musicais. "Esse programa nasce a partir de uma necessidade do Ministério da Cultura em construir demanda por bens e serviços relacionados à cultura", diz Coronel, da Visa. "[O programa] está sendo estudado por outros países."

Preencha os campos ao lado e receba nossas notícias:

Rua Visconde do Rio Branco, 1488 - 18º andar – Centro – Curitiba/PR

© 2012 Museu do Cartão - Todos os direitos reservados - Powered By Totalize Internet Studio