Museu do Cartão de Crédito

15/05/2015 - Agora, a briga é de Gigantes

« Voltar

De Natália Flach | Finanças | IstoÉ Dinheiro, ano 17, nº 916

Antes de comprar um produto ou pagar por um serviço, era comum que o consumidor perguntasse se o estabelecimento aceitava Visa ou Mastercard, dependendo do cartão de crédito que carregava na carteira. O motivo era a parceria que essas bandeiras tinham com as empresas de adquirência Cielo e Rede, responsáveis por processar as transações. A exclusividade das maquininhas acabou e isso aumentou o interesse de entrantes por esse mercado. A disputa tem sido acirrada. O Santander adquiriu a GetNet, o Citi trouxe a Elavon, o Banrisul criou a Vero e o Banco de Brasília assinou um corado com a americana Global Payments. Outra americana, a FirstData, que desembarcou no Brasil, em 2012, decidiu, por seu turno, pisar no acelerador no fim do ano passado.

Agora, numa segunda etapa, é a vez das gigantes internacionais do comércio eletrônico desembarcarem no País. A britânica WorldPay, que em maio do ano passado adquiriu a Cobre Bem Tecnologia, por um valor não revelado, só passou a operar, de fato, neste mês com o lançamento da sua marca no País. A companhia, que processa diariamente 26 milhões de transações no mundo, em mais de 120 moedas, queria entender o mercado brasileiro e, claro, analisar os adversários antes de começar de fato a disputa. Nesse meio tempo, já conseguiu um feito e tanto: dobrou o faturamento da Cobre Bem. “Temos um plano de crescimento bastante agressivo”, afirma Juan Pablo D’Antiochia, gerente geral da WorldPay para a região. “A expectativa é de que a América Latina responda por 15% de nossas operações, em dois ou três anos.” Segundo ele, nesse contexto, o Brasil deverá ser o principal mercado. A aposta se explica não apenas pelo potencial de crescimento, mas também pelo fato de a rentabilidade obtida com as transações locais ser superior à do restante do mundo. Essa constatação leva D’Antiochia a prever a chegada de outras empresas de meios de pagamentos por aqui, aumentando ainda mais a concorrência. “Vamos ganhar a competição por sermos melhores e não por oferecermos o preço mais baixo”, afirma.

A gigante britânica, que processou US$ 500 bilhões no ano passado, decidiu operar primeiramente no mercado de varejo digital, para só depois expandir-se para outros canais, como o de call centers. “Vamos ampliando o leque aos poucos, porque o modelo de negócios é diferente”, afirma o CEO da WorldPay, Floris de Kort. “Além disso, as demandas são únicas, o que fazemos pela Emirates Airline, por exemplo, é diferente do que entregamos para o Google.” Atualmente, a companhia, que recebeu aportes dos fundos private equality Bain Capital e Advent International, conta com uma carteira de 300 mil clientes espalhados ao redor do mundo, com foco nas grandes empresas.

Outra grife de peso, e uma de suas principais concorrentes internacionais, desembarcou antes que a WorldPay, no Brasil. A holandesa Adyen, que recebeu um aporte de US$ 250 milhões dos fundos General Atlantic, Temasek e Felicis Ventures, para expandir as suas operações, cresceu 100% no mundo, em 2014. Hoje, conta em sua carteira de clientes com quatro das cinco maiores companhias de internet dos Estados Unidos.

“Esperamos crescer, no mínimo, 300% no Brasil, neste ano”, diz Jean Christian Mies, vice-presidente sênior da Adyen para a América Latina. Mas como isso é possível em uma economia em recessão? Segundo Mies, o crescimento do e-commerce acontece porque a base de consumidores ainda é pequena perto do potencial de mercado. “Os smartphones estão impulsionando esse avanço”, diz o executivo, que contabiliza 200 clientes, como a Azul Linhas Aéreas, Boticário, Hering e Avianca. Não por acaso, Rômulo de Melo Dias, presidente da Cielo, enfatizou, durante a teleconferência de divulgação dos resultados do primeiro trimestre, que a concorrência está cada vez mais acirrada. “A competição vem de todos os lados, desde os que já estão há mais tempo no mercado como dos novos entrantes”, afirmou Dias.

Preencha os campos ao lado e receba nossas notícias:

Rua Visconde do Rio Branco, 1488 - 18º andar – Centro – Curitiba/PR

© 2012 Museu do Cartão - Todos os direitos reservados - Powered By Totalize Internet Studio